Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, é por todos conhecido o descompasso que existe hoje no País entre o extraordinário potencial que temos de crescimento econômico e os investimentos que estão sendo realizados em infraestrutura.

Se quisermos ser competitivos no mercado externo precisamos, com urgência, investir fortemente nos meios de transportes de cargas e em geração de energia, de modo que seja possível produzir e escoar nossa riqueza com eficiência, segurança e custos reduzidos.  Nesse sentido, o meu Estado do Pará, tem valiosíssima contribuição a dar ao Brasil.
As três maiores bacias hidrográficas paraenses – Tocantins, Xingu e Tapajós – têm um potencial de geração hídrica estimado, em cálculos conservadores, em mais de 60 mil megawatts. Só com a hidrelétrica de Tucuruí, a maior hidrelétrica brasileira totalmente nacional em potência instalada, o Estado já é hoje um dos maiores produtores de energia do País e será, em futuro muito breve, o líder do setor no ranking nacional.
Isso acontecerá logo que ficarem prontas a usina de Belo Monte – obra que, quando concluída, será ainda maior que Tucuruí – e o Complexo do Tapajós, composto por cinco usinas a serem construídas no Rio Tapajós e Rio Jamanxim: as usinas de São Luiz do Tapajós, de Jatobá, de Jamanxim, de Cachoeira do Caí e de Cachoeira dos Patos. (Leia mais...)
Publicado no Blog de Jota Parente