Terça-Feira, 02/09/2014, 05:20:39 - Atualizado em 02/09/2014, 06:46:54 14 comentários


O candidato Helder Barbalho (PMDB) abriu 11 pontos percentuais de vantagem sobre o candidato Simão Jatene (PSDB), na pesquisa estimulada, e 8 pontos, na espontânea, segundo resultado apurado por I Veiga Consultoria e Pesquisa em levantamento realizado entre os dias 28 e 30 de agosto com 1.110 eleitores da Região Metropolitana de Belém, que compreende os municípios de Belém, Ananindeua, Marituba e Santa Bárbara. O intervalo de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.
Além da disputa para o governo do Estado, ela também aponta resultados para a eleição de presidente da República, senador e deputados, sendo registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), respectivamente, sob os números 00014/2014 e 00015/2014.
Na pesquisa espontânea, quando o pesquisador não apresenta ao eleitor os nomes dos candidatos em disputa do cargo, Helder aparece com 30,3%, contra 22,1 de Simão Jatene. Marco Carrera (Psol), tem 3,3%; Zé Carlos (PV), 0,8%; Marco Antônio (PCB), 0,5%, e Elton Braga (PRTB), 0,4%. Os votos brancos e nulos somam 5,9%. Ainda não sabem em quem votar ou não opinaram, 36,8% dos eleitores.
Pesquisa feita pela Veiga Consultoria mostra que o candidato do PMDB está abrindo vantagem contra o tucano em Belém. (Arte: Diário do Pará)
A pesquisa estimulada, em que há a apresentação dos nomes, aponta vantagem ainda maior de Helder: 37,7% para o peemedebista, contra 26,6% do tucano. O candidato Marco Carrera (Psol) tem 4%; Zé Carlos (PV), 1,4%; Marco Antônio (PCB), 0,5%, e Elton Braga (PRTB), 0,5%. O total de eleitores que votariam em branco ou anulariam o voto foi de 7,9%, enquanto 21,5% não souberam dizer em quem votariam ou não opinaram.
Os pesquisadores também perguntaram em quem os eleitores votariam no segundo turno na disputa entre Helder e Jatene. O resultado revela que Helder teria 44% e Jatene, 34,5%. Uma vantagem, portanto, de 9,5% a favor do candidato do PMDB.
Os votos brancos e nulos atingiram 9,8%. Não souberam ou não quiseram opinar, 11,7%. Entre os 1.110 eleitores pesquisados, 35,5% declararam como definitiva sua opção de voto, 32,8% disseram que ainda podem mudar, 20% dificilmente mudarão e 11,7% não souberam ou não quiseram opinar.

Presidente
A eleição para presidente da República teve os seguintes resultados na pesquisa estimulada: Marina Silva, 40,5%; Dilma Rousseff, 37%, enquanto Aécio Neves, 8,8%. Os demais candidatos, Luciana Genro, Zé Maria e pastor Everaldo tiveram menos de 1% das intenções de voto. Os eleitores que votariam em branco ou anulariam o voto somaram 2,3%. Outros 10,2% não souberam ou não quiseram opinar.
Na espontânea, Marina Silva tem 37%; Dilma Rousseff, 34,2% e Aécio Neves, 8,6%; Luciana Genro 1%, enquanto Eymael, Levy Fidelix, Mauro Iasi, Pastor Everaldo, Rui Pimenta e Zé Maria tiveram menos de 1%. Os eleitores que votariam em branco ou anulariam o voto somaram 2,4%. Outros 15,1% não souberam ou não quiseram opinar. Num segundo turno entre Marina Silva e Dilma Rousseff, a primeira teria 55,7% dos votos, contra 31,6% da atual presidente da República. Se o segundo turno for entre Dilma e Aécio, ela venceria o tucano por 51,5% a 28%2%.
Professor de ciência política da UFPA, de onde também são oriundos os pesquisadores que com ele há anos trabalham em aferições de intenção de votos, , o diretor Edir Veiga explica que nas últimas disputas estaduais, para o governo e prefeitura de Belém, o índice de acerto foi total.
“Dissemos, com nossos números, que Ana Júlia ia perder a eleição, assim como acertamos na eleição do prefeito Zenaldo Coutinho”, afirmou Veiga, que também é doutor em Ciência Política pela Universidade Cândido Mendes, professor doutor da Faculdade Integrada Brasil Amazônia e Professor de nível superior da Escola Superior Madre Celeste. No caso dessa pesquisa de eleição para o governo estadual, presidência da República, senador e deputados , feita na Região Metropolitana de Belém, a iniciativa, segundo Veiga, foi do “próprio instituto”.
(Diário do Pará