Menina sofreu escalpelamento total no ano de 2013 em Breves, no Marajó.
Município descumpriu liminar que garantia tratamento médico da vítima.

Prefeitura Municipal de Breves, no nordeste do Pará, teve a quantia de R$ 23.669,30 bloqueada de suas contas para garantir o tratamento ambulatorial e psicológico de uma menina vítima de escalpelamento total após um acidente com o eixo do motor de uma embarcação, de acordo com informações da a Defensoria Pública da União (DPU). O G1 tenta contato com a Prefeitura de Breves.
A vítima tinha 6 anos de idade na época do acidente, em abril de 2013, e a família nunca recebeu subsídios públicos para seguir com o tratamento médico da menina, que é realizado regularmente em Belém com deslocamento, alimentação e estadia custeados por parentes e amigos da família, segundo a DPU.

Ainda segundo a DPU, a menina tem hoje 9 anos e é filha de pais ribeirinhos, não alfabetizados, com renda mensal de aproximadamente R$ 330. Em 2015, a DPU entrou com uma ação na 12ª Vara do Juizado Especial Federal em Belém para garantir o tramento, tento como pólos passivos a União Federal, o Estado do Pará e o Município de Breves.

A ação obrigava o município de Breves a arcar com o tratamento fora do domicílio da jovem, mas mesmo diante de várias intimações, a determinação não foi cumprida, resultando no bloqueio das contas. A DPU informou que o processo já se encontra encaminhado para o levantamento da quantia em favor da criança, para assegurar o tratamento médico.