Em  grupos sociais  com origem em Jacareacanga, está sendo disseminado na  blogosfera   mais uma acusação contra atitude comportamental da Policia Militar que teria feito uma ação extorsiva no valor de dois mil e cem reais de uma senhora que após ter  seu esposo preso por policiais supostamente por estar em um veiculo clonado, somente foi liberado quando tomou emprestado o valor mencionado de suas amigas para suportar a cobrança dos policiais militares.  O nome dos militares envolvidos não foram reveladaos, devendo tratar-se somente de uma guarnição longe de ser denunciado por essa razão todo o contigente.

A denunciante que pode ser identificada com suas declarações bombásticas no Grupo QUEREMOS MUDANÇAS EM JCR, que tem as  respeitaveis senhoras Roberta e Geane como  administradoras,  revelando indignação incontida bradou que  ainda teria sido intimidada  por um policial quando disse que o pagamento cobrado  para liberar seu esposo seria  na ordem de  R$ 10.000,00 considerou a senhora  que era muito alto  e  teria somente R$ 2.100,00  que fora tomado por emprestimos de duas amigas.  

Bem verdade que a repercussão do fato que contraria os bons costumes e a disciplina  de uma instituição que pugna pela honestidade e o fiel cumprimento do dever deve ter de imediato reparação e se constatado a extorsão fato é que  o valor deve de imediato ser ressarcido à pessoa supostamente extorquida. Fato ja em comentário é que os policiais envolvios ja deverão ter uma justificativa para o ato e facilmente irão inverter o jogo, segundo se comenta. 

A denunciante temendo represálias dos policiais avisa que se sumir de sua casa, insinua que a responsabilidade seria da propria policia.

A realidade dura e crua em Jacareacanga, segundo comentarios de populares é esse contumaz problema  comportamental de policais que extorquem as pessoas e que ainda fabricam flagrantes para lograrem proveitos no ilicito e criminoso ato.

Torna-se oportuno acrescentar que nem todos os militares  se afeiçoam a essa pratica que suja sua corporação, tem uns que são trigos, porém, muitas vezes o joio se sobressai na plantação, mas ignorar que a policia  ou alguns não se utilizam dessa pratica extorsiva  é não querer ver atraves dos olhos da seriedade e da verdade tambem por medo. É muito dificil em Jacareacanga uma pessoa que desenvolva suas atividades  em garimpos, cujos garimpeiros gravitem em Jacareacanga, que não tenham sido abordados por policiais e no fim extorquidos.

No comentários nas redes sociais alem de muitos   contatos privados, a onda é essa suposta ação  de policiais. 

RECORDAR É VIVER

- Lembrem-se senhores autoridades do Poder Legislativo, especificamente os membros da Comissão de Constituição e Justiça;

- Lembre-se Senhor Prefeito Municipal;

- Lembre-se ou saiba Senhora Promotora de  Justiça  de Jacareacanga, que centenas e mais centenas de indigenas, considerando atuação nesses moldes de policias militares e que havia insinuações que estariam coniventes com o trafico de drogas no municipio, e agravado pelo assassinato do indigena Lelo Akay Munduruku invadiram a cidade colocaram em fuga todo o contingente policial e atearam fogo na delegacia de policia  e tomaram para si armamento privativo dos militares.


O POVO DE JACAREACANGA NÃO SUPORTA MAIS ESSES TRAUMAS, FAÇAM ALGUMA COISA

Finalizando, na invasão indigena que ocorreu em tempo pretérito em Jacareacanga  a cupula da segurança pública com dezenas de policiais teve que deslocar-se de Belem para conter os animos beligerantes dos indigenas. Para arrefecer os animos  no ato foi celebrado um protocolo entre os indigenas e  o Governo Estadual atraves do Senhor Secretário de Segurança Pública e uma das exigencias indigenas era a fixação em Jacareacanga de um contingente policial da Capital do Estado, que deveria nunca encaminhar militares de Santarém ou Itaituba para a promoção da segurança publica para Jacareacanga.