GARIMPO ILEGAL

Nos últimos quatro anos mais de 25% de todos os requerimentos de concessão de lavras garimpeiras foram no município paraense.

 quinta-feira, 24/02/2022, 22:37 - Atualizado em 24/02/2022, 22:37 -  Autor: Wesley Costa Rabelo com informações de O Globo 

 Equipamentos garimpeiros tem sido apreendidos por operações da PF | Ascom/ Semas

Situada a mais de mil quilômetros de Belém, o município de Itaituba, na região sudoeste do Pará, é o novo centro da corrida pelo ouro no país. É o que mostra uma reportagem publicada no jornal O Globo, nesta quinta-feira (24).

De acordo com a publicação, o município já está sendo chamado de  “Cidade Pepita" e tem um comércio totalmente voltado à economia garimpeira, com venda de ouro, lojas de compra de metais valiosos e de retroescavadeiras e tratores, além de um aeroporto com intensa movimentação. 

PF faz operação contra garimpo que turvou águas de Alter

Itaituba tornou- se nos últimos quatro anos campeão na concessão de lavras garimpeiras pelo governo federal. Mais de 25% de todos os requerimentos são para a “Cidade Pepita”.

Desde a última semana,  a população do município tem contestado a operação Caribe Amazônico, deflagrada pela Polícia Federal em parceria com o Ibama e as Forças Armadas que destruiu e apreendeu mais de 21 escavadeiras, 26 motores bombas, uma balsa, três geradores, um trator esteira e 14 acampamentos avaliados em mais de R$ 10 milhões. Todo material utilizados em atividades garimpeiras ilegais realizada em área de preservação, pertencente à União.

Durante a ação foram flagrados verdadeiras “mini-cidades”  e vilarejos erguidos no meio da selva amazônica, com igreja, alojamento, pista de pouso, oficinas e até supermercados, onde um refrigerante custava mais de R$ 30,00. Alguns garimpeiros, revoltados com a operação, queimaram pontes de madeira e bloquearam o acesso à sede do ICMBio na cidade.