"RETOMANDO O BRASIL"

O grupo vai pressionar o governo de Jair Bolsonaro que, segundo eles, tem atuação histórica contra os movimentos e direitos dos povos originários.

 quarta-feira, 16/03/2022, 18:50 - Atualizado em 16/03/2022, 18:49 -  Autor: Folha Press

 No ano passado, cerca de 6.000 indígenas se concentraram em Brasília | Divulgação
 

A Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) vai realizar a 18ª edição do Acampamento Terra Livre entre os dias 4 e 16 de abril, em Brasília. A entidade divulgará nesta quinta-feira (17) um manifesto anunciando o evento.

Segundo a Apib, o grupo vai acampar na capital para pressionar o governo de Jair Bolsonaro que, segundo eles, tem atuação histórica contra os movimentos e direitos dos povos originários. A edição deste ano vai se chamar "Retomando o Brasil: Demarcar Territórios e Aldear a Política".

O nome foi escolhido em alusão ao julgamento do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre a validade da tese do marco temporal para a demarcação de terras indígenas, que começou a ser votado no ano passado, mas foi adiado.

A previsão da entidade é de que a manifestação reunirá cerca de cem povos de todo o país. No ano passado, cerca de 6.000 indígenas se concentraram em Brasília em um acampamento chamado Luta Pela Vida.

A Apib também enviou na terça-feira (15) uma nota técnica à Câmara dos Deputados pedindo o arquivamento do Projeto de Lei 191/2020, que prevê a regulamentação da mineração em terras indígenas.

A Casa aprovou o requerimento de urgência na última quarta-feira (9). De autoria do Executivo, o PL havia sido encaminhado à Câmara dos Deputados em fevereiro de 2020.

Ele voltou a ser defendido por Bolsonaro no início deste mês, sob o argumento de que a exploração mineral em terras indígenas poderia resolver a escassez de fertilizantes potássicos causada pela guerra na Ucrânia.

Dados oficiais mostram que as jazidas de potássio estão fora das terras indígenas. Ainda assim, a mobilização da base do governo na Câmara conseguiu a aprovação da tramitação do projeto em regime de urgência e prevê votá-lo no início de abril.