Familiares da vitima

Em manifesto pacífico, familiares e amigos do jovem Pablo Ruan Lima, de 26 anos, estiveram, na manhã desta quarta-feira (02), na frente da Delegacia de Polícia Civil de Itaituba (PA), pedindo justiça para o caso. Pablo foi encontrado morto na última segunda-feira (28), em um quarto de sua residência.

Josenildo e Marcos foram liberados. Foto: Reprodução.

Os acusados do crime – identificados como Marcos Flavio da Silva Santos e Josenildo Dias Gomes – foram presos, na tarde desta terça-feira (01), pelo Grupo Reservado da Polícia Militar; porém, já foram liberados. De acordo com a guarnição, Marcos confessou ter assassinado Pablo juntamente com Josenildo. Segundo ele, a motivação do crime seria uma suposta dívida de RS 500,00.


Após serem liberados, os dois foram flagrados, por um aparelho celular, circulando em via pública. A situação revoltou familiares e amigos de Pablo. Em entrevista, a irmã dele, Joyce Lima, disse estar bastante revoltada, principalmente porque houve confissão do crime.

“A revolta é grande. Hoje chora um pai, chora uma mãe, chora a classe LGBT e choram os amigos, que amavam muito o Pablo. A gente quer que a justiça seja feita. A gente, hoje, faz uma pergunta: até quando a classe LGBT vai passar por isso? Eu faço parte da classe LGBT, e a nossa vida não é para ser discriminada […]”, disse.

(Leia também: CASO PABLO’: Acusados de ter matado o jovem são presos; um deles confessou o crime).

“… Então, o que a gente quer é apoio de alguma autoridade – vereadores, prefeito, deputado – porque, quando é na época de política, todo mundo quer abraçar a classe, mas, quando acontece isso, ninguém chega para apoiar a gente… Não queremos vingança, e sim justiça”, complementou.

Fonte: Plantão 24horas News.