INJUSTIÇA

O agressor evadiu-se após cometer o crime, ele teria entrado na mata e desaparecido. Uma recompensa de 25,000,00 mil reais foi oferecida para encontra-lo

Publicado em 11/04/2022 às 11:54

A ação criminosa ocorreu no último dia 29 de março, mas a denúncia só foi realizada na última segunda-feira (4),

A ação criminosa ocorreu no último dia 29 de março, mas a denúncia só foi realizada na última segunda-feira (4), (Foto: Foto: reprodução, redes sociais)

A polêmica envolvendo a morte violenta de um cachorro, na comunidade São Benedito, Zona Rural do Município de Itaituba, região Sudoeste do Pará, parece estar longe de ser solucionada, e o acusado de praticar o crime, ser localizado e preso.

O fato foi registrado na manhã no último dia 29 de março, na qual um homem identificado pelo prenome “Paulão” aparece, arrastando e espancando violentamente um cão, que não tendo como se defender acaba morrendo na mão de seu algoz.

De acordo com relatos de pessoas próximas ao acusado, ele estaria agindo dessa forma, por quê o animal teria copulado com uma cadela também de tutela de “Paulão”. O vídeo com o registro das agressões foi compartilhado e viralizou, causando revolta na população. Após o ocorrido, o acusado teria fugido da fazenda onde trabalhava como caseiro, e não foi mais visto.

A Ong o Sol Nasce Para Todos tomou conhecimento do episódio e registrou juntos as autoridades o crime de maus tratos. Inclusive empresários de outros estados brasileiros e Organizações Não Governamentais que apoiam a causa animal ofereceram recompensa de até R$ 25 mil para quem ajudar a localizar um homem. No entanto, até o momento não houve qualquer informação sobre o paradeiro de “Paulão”

Entenda o caso:

Homem mata cachorro à pauladas na comunidade São Benedito em Itaituba

Nas imagens registradas por um celular, é possível observar um homem com um pedaço de madeira na mão, desferindo vários golpes na cabeça do cão, arrasta-o para fora da residência. As agressões continuam até que o animal não esboça mais nenhuma reação.

Segundo relatos de vizinhos do agressor que é conhecido na localidade como Paulão, ele adota cães de grande porte para caçar. O animal que foi morto brutalmente, E teria sido penalizado por ter cruzado com a cadela que estava no cio, os dois animais pertenciam ao agressor, assim como outros cães que aparecem nas imagens feitas por um cinegrafista amador.

O agressor mora em uma fazenda da comunidade onde desempenha o papel de caseiro. Segundo relatos de testemunhas o animal morto teria sido adotado recentemente por ele, o antigo tutor do animal só passou a tutela do bichinho após muita insistência de Paulão. O caso causou revolta na população, que pede por justiça através de manifestações em redes sociais.

O vídeo rapidamente se espalhou pelas redes sociais, e chegou também a ONG de proteção aos animais, que acionaram os advogados para as devidas providências.

De acordo com a Lei 14.064/2020 maltratar cães e gatos é considerado crime, com punição prevista de 2 a 5 anos de reclusão, multa e proibição da guarda. Caso o crime resulte na morte do animal, a pena pode ser aumentada em até 1/3.

Empresários e Organizações Não Governamentais que apoiam a causa animal em Itaituba, no sudoeste paraense, e outros estados brasileiros oferecem recompensa de até R$ 25 mil para quem ajudar a localizar um homem identificado como “Paulão”, suspeito de matar a chutes e pauladas um cachorro, na comunidade de São Benedito, estrada de Barreiras, zona rural do município.

A ação criminosa ocorreu no último dia 29 de março, mas a denúncia só foi realizada na última segunda-feira (4), depois que o vídeo do caso viralizou nas redes sociais. A Polícia Civil esteve no local da ocorrência, mas o homem conseguiu fugir. A partir disso os empresários e as organizações resolveram se unir para auxiliar as autoridades policiais a localizar o paradeiro do criminoso.

A pessoa que ajudar com a informação exata poderá receber a quantia de R$ 25 mil, oferecidos por empresários e parceiros do projeto paulista “Anjinhos das Ruas”. Os valores serão arrecadados pela ONG “O Sol Nasce Para Todos” e repassados ao denunciante.

Para denunciar, basta ligar para os números da Polícia Militar (190) ou do Disque-Denúncia (181).

Informações, Plantão 24 Horas News / G1 Pará