Imagens desta matéria extraídas da web/blogosfera 

JACAREACANGA-PA, 19.043.2022 - A municipalidade vive dias difíceis em quase todos os setores de ação ou falta de ação, da Gestão Municipal   devido a falta de identificação com o cargo ou estranheza  para o qual foi escolhido VALDO DO POSTO que na verdade não mostra liderança no cargo, permitindo de tal sorte, interferências, quer políticas, quer oportunistas que cobram favores na política. Interferências tais que  dificultam ou impedem de forma transparente  a aplicação de recursos, conforme ditam conversas de becos, esquinas e vielas nas vias públicas da cidade.  As mazelas crescem sem piedade sobre o povo, pois até  em  certos trechos do sistema viário  encontram-se intransponíveis até para o alunado se deslocar para os educandários de ensino. -É o forte inverno que provoca através das chuvaradas os amontoados de lixo e as ruas emburacadas - diriam os apaniguados do Prefeito de fato e de direito - ao que o bom senso se prevalecesse nessas mentes poderiam em defesa da municipalidade  dizer com honestidade que seria  a interferência na gestão, o descaso, o desamor pela cidade, a estranheza ao cargo que denota o prefeito.

A EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO  - UM RETROCESSO SEM PRECEDENTES COM A DESVALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL E ALUNOS SEM MERENDA ESCOLAR
Escolas caindo, com seus sistemas elétricos e hidráulicos inoperantes, sem água para higienização e limpeza, muitas com alunos ajoelhados pois não tem carteiras escolares, com graves problemas  na distribuição de merenda escolar devido sua declarada insuficiência e escassez, materiais didáticos e pedagógicos em falta, professores suplicando pelo cumprimento constitucional do pagamento do piso salarial, um direito adquirido e com suficiência de financiamento de responsabilidade do Governo Federal que descentraliza para os municípios, povo à míngua sem planejamento algum na busca de se investir na produção de renda e emprego.  Esse é o trágico cenário que se mostra evidente no município de Jacareacanga desde o advento do Governo VALDO DO POSTO e cada vez se agravando mais, onde se mostra a diferença abissal entre os mais afortunados e entre esses os detentores dos melhores salários da Prefeitura, e o pobre que o desgoverno do município está transformando em paupérrimo ou miserável.
UMA GESTÃO QUE NÃO PENSA NO FUTURO E PROGRESSO DO MUNICÍPIO E QUE NÃO APRESENTA UMA ALTERNATIVA PARA O DECLÍNIO DO OURO
Existia consolidado para estimulo à produção de renda a economia da produção aurífera,  depois do revés sofrido com a desmobilização dos garimpos para proteção ao meio ambiente, a   capenga Gestão nada fez e nada está fazendo, para ao menos encetar trabalhos com a finalidade de se fazer buscas  por uma alternativa econômica para colocar comida na mesa do menos favorecido. Há de se entender que  ao invés de procurar exibir-se mesmo se mostrando  através de um perfil acabrunhado, de coitado, o Prefeito deveria com autoridade, que é peculiar ao cargo exercido, discutir com o Governo do Estado e da Federação formas de amenizar a cruz pesada do povo no que tange  se instituir mecanismos para  produzir ou criar fomentos que busquem o fortalecimento de uma  economia  alternativa através de projetos que possam produzir renda e emprego para o povo.

A escassa recepção em uma Aldeia muito populosa

Vê-se, e isso torna-se até engraçado para não se dizer trágico é alguns Vereadores tentando impressionar alguns comunitários depois de suas prolongadas viagens à Belém/Bra ília regadas a gordas diárias  e passagens evidentemente "que por sua luta incansável e compromisso conseguiu tantas cestas básicas para distribuição ao povo", esquecendo Sua Excelência, que a cestas básicas irão ser logo devoradas, excretadas e depois nada mais tem e a fome campeará em muitos lares. Será que não seria mais inteligente se custear a ida desses nobres parlamentares a Belém e ou Brasília como fazem sempre, e se vê isso atraves de selfes, e ao invés de "lutarem" para trazerem Cestas Básicas,  lutarem para o Governo se responsabilizar por fomentar um alternativa econômica duradoura para a região?     
Executivo e Legislativo por todo lugar, é uma frase constante nas publicações do Vereador Giovani Kabá, que deveria ser "Executivo de um lado Legislativo de outro" fiscalizando o primeiro.

O BRADO DO VEREADOR XAVIER, SEUS NOBRES PARES PARECEM NÃO TEREM OUVIDO
O Vice Presidente do Poder Legislativo Vereador Xavier visivelmente preocupado e tentando romper com o círculo vicioso pelo que creio,   desnudou a nudez que todo mundo conhece ao aventar a intromissão de corpos estranhos no seio da administração do município. O Vice Prefeito Valmar assumindo a interinidade do cargo de Prefeito, precisando aviar 150 litros de combustível para lideranças indígenas retornarem às suas aldeias de origens  determinou que fosse liberado com presteza, ao que ouviu de um subalterno:

 -Vice, não temos ordens pra liberar nada, dê uma ligada para a Turma de Itaituba, é eles que decidem!
Nosso plantel de fiscalizadores do Poder Legislativo, escolhido a dedo no último pleito eleitoral encontra-se inerte, adormecido; se ouviram, o discurso do Vereador Xavier, ou  fizeram "ouvido de mercador" ou não se dá o devido crédito à palavra de um nobre de par, cujo, mostrou em poucas palavras que alguém está atravancando a aplicação de recursos do município. Conivência? nem pensar! já que nossos Vereadores reúnem a confiança irrestrita da municipalidade e jamais fariam esse desserviço à população. Sonolência, cegueira cerebral, equívoco, reserva mental talvez!
Voo da alegria em céu de Brigadeiro

NAS ASAS DA OSTENTAÇÃO, COM GASTOS DE RECURSOS QUE DARIAM PARA FAZER AQUISIÇÃO DE MERENDA ESCOLAR POR LONGO PERÍODO
Enquanto o descaso provocado pelo abandono da educação do município, abandono  da população que não tem água potável com suficiência em determinados bairros, exposição horrível dos locais em que  as crateras das vias publicas misturam-se aos lixos criando enormes espaços de águas estagnadas formando  terríveis lamaçais, nosso Prefeito Valdo do Posto, para festejar o Dia do Índio ou justificar o motivo de ter abandonado às comemorações alusivas ao especial dia na sede do municipio, pisa também no chão, e com os pés enlameados  pelo descaso, descompromisso, pisa também no povo e, nas asas da ostentação, com seu Vice Valmar e o midiático Presidente da Câmara de Vereadores Giovani Kabá, fazem um TOUR pelas principais aldeias das Terras Indígenas Sai Cinza e Munduruku, em uma aeronave fretada sob as expensas  da VACA LEITEIRA ferrada, marcada nas tetas com três letrinhas, (PMJ). Estranho de tudo é o Vice Valmar que estaria irreconciliavelmente rompido com o Prefeito que sequer dá-lhe Kabiá, (reclama) fazendo parte do TOUR, aparentando nas imagens certo constrangimento Só pra nós: a TURMA DE ITAITUBA está mais generosa? ou está dando  bom-bom para um homem bom, que somente merecem os bons? aliás de bonzinhos o Poder Legislativo tá assim... ó!
GRANDE E INOVADORA GESTÃO EM FAZER O FRETAMENTO DE UMA AERONAVE PARA APENAS VISITAR ALGUMAS ALDEIAS, SEM FINALIDADE DE TRABALHO DECLARADA
O TOUR circulou as duas Terras Indígenas, esparsas em uma superfície de quase  Dois milhões e quatrocentos mil  hectares  visitando, Katõ, Biribá, Missão Cururu, Teles Pires que   limita-se com o Mato Grosso em um monomotor  fretado para essa finalidade com presumíveis oito horas de voo ao preço estimado de 6 mil a hora, e com mimos levados aos indígenas pelo transcurso do Dia alusivo ÀS COMUNIDADES INDÍGENAS, muito provavelmente as despesas atingiram 60 mil reais, e como a sangria desatada deve ter sido feita na DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA da Secretaria de  Educação, tal feito, faria mais efeito esse investimento de apenas passear nas aldeias,  se fosse feito a aquisição de merenda escolar e sua distribuição que daria para cobrir uns 3 a 5 meses do exercício letivo. É sabido que alem de carteiras está faltando merenda escolar para os alunos.

Por último, o cantor de brega Mauro Jegue que muito sucesso faz pelas brenhas do alto Tapajós, está sendo anunciado pelo Presidente da Câmara Municipal que fará um show no Katõ, no dia de hoje 19 (Dia do Índio) com a presença garantida de uma Deputada. Como todos sabem que até galo não canta de graça e aguarda seu pagamento em milho, quanto cobrará o Jegue para cantar em uma concorrida festa na Aldeia Katõ? e uma pergunta que insiste em não calar faz-se surgir 

QUEM PAGARÁ O CACHÊ DO ARTISTA, A CÂMARA OU A PREFEITURA? QUEM PAGARÁ O AVIÃO QUE DEVE SER FRETADO PARA TRANSPORTAR SUA EXCELÊNCIA A NOBRE DEPUTADA
 

Quanto mais voam alto nossos representantes politicos de Jacareacanga sem nada trazerem, somente promessas, mais a municipalidade rasteja!