Portal OESTADONET - 05/04/2022

Vereadora Adriana Almeida - Créditos: Arquivo/Portal OESTADONET

A vereadora Adriana Almeida, de Santarém, ingressou com ação declaratória de justa causa perante o Tribunal Regional Eleitoral(TRE/PA) para desfiliação partidária com pedido de liminar alegando perseguição política por parte das direções municipal e estadual do Partido Verde.

 

Adriana alega na ação movida por seus advogados que o Partido Verde está, há tempos e de variadas formas, promovendo discriminação pessoal em desfavor da parlamentar, que deseja mudar de partido para disputar uma vaga de deputado estadual, sem perder o mandato de vereadora.

 

Na ação de desfiliação partidária, Adriana sustenta uma mudança da postura do Partido Verde ao se tornar membro de uma federação com dois partidos, o que é permitido por lei. Alega também que não recebeu financiamento do partido para as eleições municipais de 2020, embora seja fato público e notório sua propalada, invejável e elevada condição financeira dela e de seus familiares.

 

Sem ter provas contundentes da perseguição e descrédito político que alega estar sendo submetida por dirigentes do PV, a vereadora lança mão de um subterfúrgio ao incluir no processo prints de matérias jornalisticas sobre sua pífia atuação parlamentar, insinuando que tais publicações teriam sido realizadas sob encomenda e que seus autores mantinham relação de subserviência aos dirigentes partidários, sem apresentar qualquer comprovação do alegado conluio entre seus hipotéticos adversários.

 

Ao permancer no PV, Adriana Almeida dificilmente terá vaga para disputar as eleições estaduais deste ano. Ao ter sua filiação confirmada por outro partido corre o risco de perder o mandato de vereadora, uma vez que a janela partidária só é permitida para os parlamentares que tentam a reeleição para o mesmo cargo para os quais foram eleitos, o que não é o caso da vereadora do PV, que deixou a legenda para disputar uma eleição estadual.