ITAITUBA, PA - 13.05.2022 - Não se viu a espaçonave,   nem a incandescente luminosidade do OVNI (Objeto Voador Não Identificado) pairando suspenso no ar, como mostrados nos filmes vespertinos de televisão, porém à primeira vista o "ser estranho" causou rebuliço entre as pessoas, ainda ao alvorecer deste dia, que  faziam caminhadas  na orla da Cidade Pepita.

  • Isso é macumba! ja ví essa marmota em  Codó - dizia um gari, em seu oficio matinal de limpeza.
  • Isso é coisa do outro mundo! - Dizia outro
  • Credo, isso não é coisa de Deus - benzia-se em frente a Igreja católica  uma beata, que se dirigia à missa.
  • Vá de retro Satanás! vociferava a evangélica.
  • Desconjuro!, voltava a repreender a beata.

...e a esquisita criatura, percorria a Av. Getúlio Vargas com um bastão para se apoiar,  no mesmo espaço   onde transitavam os caminhantes da madrugada que em um misto de surpresa e medo deixavam a criatura evoluir sacudindo uns balangandãs que levava nas mãos. Com  mais de dois metros de altura, em meio a uma indumentária diferente, parecendo confeccionada com raízes, sarrapilha e galhos porém bem  assentada no longilíneo corpo,  serpenteava  o estranho ser em que a imaginação fértil dos madrugadores criavam  ideais mais assustadoras possíveis.

Quando a criatura encostou-se em uma placa de sinalização de transito balançando seu sonoro maracá já se aglomeravam algumas pessoas de celular na mão para fotografar, e passando naquele momento  por aquele espaço uma senhora disse e alto e  em bom som - Calma gente essa moça que o bicho incorporou é apenas  uma acadêmica que está fazendo trabalhos de interesse universitário - com isso  conversei cá com meus botões:

Que porra de curso acadêmico  é esse que pra fazer dever de casa o acadêmico vai às ruas assustar as pessoas?