Portal OESTADONET - 23/06/2022

Gabriel Pereira Dantas, preso em São Paulo, admite participação nas mortes de Bruno e Dom - Créditos: Divulgação/Polícia Civil SP

Um dos suspeitos de envolvimento nas mortes do indigenista Bruno Pereira, 41 anos, e do jornalista britânico Dom Phillips, 57 anos, desaparecidos no dia 5 de junho, na região do Vale do Javari, Amazonas, se entregou à polícia, em São Paulo, nesta quinta-feira (23). Trata-se de Gabriel Pereira Dantas, que admitiu participação no crime. O suspeito, após a morte de Dom e Bruno, fugiu para Santarém, no oeste do Pará. As informações são da CNN Brasil e do Jornal Folha de São Paulo.

 

Segundo depoimento prestado aos policiais do  2º Distrito Policial da capital paulista, após o crime Gabriel contou que fugiu por Santarém, no Pará, até chegar a São Paulo.

 

O suspeito contou ainda que ficou perambulando pelas ruas da capital paulista até decidir se entregar à polícia nesta quinta-feira. Gabriel relatou que não estava mais aguentando a situação, 'pois estava com sentimento de culpa'. 

 

 

 

 

Gabriel contou que é morador da capital amazonense, mas que estava residindo atualmente no município de Atalaia do Norte. 

 

Segundo ele, no dia em que Dom E Bruno desapareceram, ele estava bebendo com Amarildo da Costa de Oliveira, o Pelado, em um flutuante. Gabriel disse que recebeu um convite para pilotar uma lancha, mas não sabia qual era o objetivo daquela viagem.

 

Gabriel contou ainda que ele e Amarildo avistaram a lancha onde Bruno e Dom estavam. Antes de se aproximarem da embarcação onde estavam as vítimas, Pelado tirou uma espingarda e apontou em direção aos ocupantes da 'voadeira'. 

 

No depoimento prestado à polícia paulista, Gabriel disse que o primeiro tiro foi no jornalista. O segundo disparo acertou Bruno. O indigenista foi atingido duas vezes por Pelado.

 

Gabriel relatou ainda que o crime teria ocorrido no rio Madeira, na comunidade Santa Isabel. Eles rebocaram a embarcação com os corpos das vítimas. Pelado foi buscar ajuda para ocultar os cadáveres. 

 

Depois, o grupo seguiu pelo rio até encontrar um local mais escondido. Gabriel afirma ter sido o responsável por pegar os pertences de Bruno e Dom e escondê-los na mata, enquanto os outros suspeitos deram destino aos corpos das vítimas e ao barco.

 

Ele conta que pensou em levar os pertences das vítimas, mas depois desistiu.

 

Segundo ele, Amarildo prometeu não entregá-lo à polícia, caso fosse preso e que o crime teria sido motivado por uma rixa com o jornalista britânico. 

 


Ele disparou e matou o ‘gringo’ mais magro [Dom Phillips] pelo motivo de que ele [Amarildo] disse; o de ter mexido com sua mulher, -  afirmou.

 

Questionado sobre a morte de Bruno, ele morreu “de graça” para não incriminá-lo.

 

Quatro pessoas já foram presas por envolvimento na morte de Bruno e Dom. Três confessaram participação: além de Dantas, Amarildo Oliveira, conhecido como Pelado, e Jefferson da Silva Lima (o Pelado da Dinha).

 

O quarto suspeito de envolvimento direto nas mortes, Oseney Oliveira (o Dos Santos), nega. Apesar disso, investigadores dizem que uma testemunha o colocou na cena do crime.

 

Além deles, outras quatro pessoas já foram identificadas. De acordo com os investigadores, elas auxiliaram na ocultação dos cadáveres.